quinta-feira

Como discernir sobre as Falsas Aparições de Jacareí Pe Duarte Sousa Lara

Há muitas aparições que ficamos sabendo, mas serão elas verdadeiras? Como a Igreja reconhece as aparições? E as aparições privadas? O Pe. Exorcista Duarte Sousa Lara nos conta como devemos discernir a respeito das aparições, baseado e apoiado na Santa Doutrina da Igreja Católica e seu Magistério. Temas: 1. "Nem tudo que brilha, é ouro!" - Portanto, tomemos cuidado com o que ouvimos. 2. Porque a Igreja demora no reconhecimento de uma aparição? 3. "Deus fazendo-se Homem, disse-nos tudo que aquilo que queria dizer. E o que não foi dito, Deus não quis dizer. Jesus é a última Palavra na Revelação" 4. Catecismo da Igreja Católica é clara a respeito, vejamos os números 65 a 67: III. Jesus Cristo – «Mediador e plenitude de toda a Revelação» (32) NO SEU VERBO, DEUS DISSE TUDO 65. «Muitas vezes e de muitos modos falou Deus antigamente aos nossos pais, pelos Profetas. Nestes dias, que são os últimos, falou-nos pelo seu Filho» (Heb 1, 1-2). Cristo, Filho de Deus feito homem, é a Palavra única, perfeita e insuperável do Pai. N'Ele, o Pai disse tudo. Não haverá outra palavra além dessa. São João da Cruz, após tantos outros, exprime-o de modo luminoso, ao comentar Heb 1, 1-2: «Ao dar-nos, como nos deu, o seu Filho, que é a sua Palavra – e não tem outra – (Deus) disse-nos tudo ao mesmo tempo e de uma só vez nesta Palavra única e já nada mais tem para dizer. [...] Porque o que antes disse parcialmente pelos profetas, revelou-o totalmente, dando-nos o Todo que é o seu Filho. E por isso, quem agora quisesse consultar a Deus ou pedir-Lhe alguma visão ou revelação, não só cometeria um disparate, mas faria agravo a Deus, por não pôr os olhos totalmente em Cristo e buscar fora d'Ele outra realidade ou novidade» (33). JÁ NÃO HAVERÁ OUTRA REVELAÇÃO 66. «Portanto, a economia cristã, como nova e definitiva aliança, jamais passará, e já não se há-de esperar nenhuma nova revelação pública antes da gloriosa manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo»(34). No entanto, apesar de a Revelação já estar completa, ainda não está plenamente explicitada. E está reservado à fé cristã apreender gradualmente todo o seu alcance, no decorrer dos séculos. 67. No decurso dos séculos tem havido revelações ditas «privadas», algumas das quais foram reconhecidas pela autoridade da Igreja. Todavia, não pertencem ao depósito da fé. O seu papel não é «aperfeiçoar» ou «completar» a Revelação definitiva de Cristo, mas ajudar a vivê-la mais plenamente, numa determinada época da história. Guiado pelo Magistério da Igreja, o sentir dos fiéis sabe discernir e guardar o que nestas revelações constitui um apelo autêntico de Cristo ou dos seus santos à Igreja. A fé cristã não pode aceitar «revelações» que pretendam ultrapassar ou corrigir a Revelação de que Cristo é a plenitude. É o caso de certas religiões não-cristãs, e também de certas seitas recentes, fundadas sobre tais «revelações». 5. Qual o motivo para certas revelações privadas ou pontuais em determinadas épocas da história, como o Milagre de Lanciano e as Aparições de Fátima? 6. As aparições de Nossa Senhora em Medjugorje Gabriel Zavitoski *** Esta palestra aconteceu durante o Retiro de Lamego em 2015.